Publicidade
Publicidade
Publicidade
Grupo Lwart anuncia venda da Lwarcel Celulose
Asiática April assinou contrato com empresa lençoense na segunda-feira (21); transação é estimada em R$ 2 bilhões
Grupo Lwart anuncia venda da Lwarcel Celulose
TRANSAÇÃO - Negociação com grupo asiático pode ultrapassar os R$ 2 bilhões (Foto: Divulgação)
O Grupo Lwart informou no início da tarde da última quarta-feira (23) que oficializou a venda da Lwarcel Celulose ao grupo asiático RGE (Royal Golden Eagle), que detém o controle da April (Asia Pacific Resources International Holdings), com sede em Singapura. A informação foi confirmada por meio de nota encaminhada pela assessoria de imprensa da empresa lençoense.
A assinatura do contrato de compra e venda da Lwarcel ocorreu na última segunda-feira (21), mas a efetivação da venda ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Os valores oficiais do negócio não foram divulgados, mas analistas do setor, ouvidos por veículos especializados em economia, estimam que a transação ultrapasse os R$ 2 bilhões.
DISPUTA
Em abril, o Jornal O ECO noticiou que quatro grupos estrangeiros estariam disputando a compra da empresa lençoense: a chilena Arauco, a portuguesa Altri, a espanhola Ence e a própria April. A portuguesa Navigator também teria entrado nas negociações, mas, há cerca de duas semanas, os asiáticos, que teriam apresentado uma proposta mais consistente, ganharam exclusividade e acabaram entrando em acordo com a família Trecenti, proprietária do Grupo Lwart.
Além de fatores técnicos, como a localização privilegiada, produtividade florestal, eficiência operacional, equipe capacitada e projeto de crescimento bem estruturado, um ponto que teria impulsionado a transação, de acordo com especialistas, foi o interesse de diversos grupos estrangeiros no mercado nacional, que resultou em grandes negociações e aumentou a disputa no setor.
Os exemplos mais recentes ocorreram em março, com a fusão entre as brasileiras Suzano e Fibria - ainda em avaliação pelo Cade - que criou a maior companhia de celulose do mundo, com capacidade de produção de quase 11 milhões de toneladas por ano; e em setembro de 2017, com a compra da Eldorado, do grupo J&F, pela indonésia Paper Excellence.
Projeto de expansão demanda investimento de R$ 5,5 bilhões
Fundada em 1986 a Lwarcel tem capacidade atual de produção de 250 mil toneladas por ano, mas pode atingir 1,5 milhão de toneladas com o plano de expansão que a família Trecenti tentava colocar em prática há alguns anos, por meio de investidores. Com quase 2 mil colaboradores e faturamento médio anual de mais de R$ 600 milhões, segundo dados de 2017, a empresa pode aumentar em cinco vezes a receita.
O Jornal O ECO tentou obter mais detalhes sobre os possíveis rumo da empresa, que a partir da aprovação do Cade se tornará uma multinacional, porém, a informação é que por conta do próprio processo de avaliação em andamento pelo Cade, nenhuma das empresas deve se manifestar neste momento. A única novidade é que a RGE pretende estudar melhor o projeto de expansão, que tem investimento estimado em US$ 1,5 bilhão (mais de R$ 5,4 bilhões), antes de qualquer posicionamento.
IMPACTO ECONÔMICO
Segundo informações obtidas pela reportagem, uma questão que vinha sendo amplamente discutida antes mesmo da intensificação das negociações, quando a família Trecenti ainda pretendia manter o controle da empresa, está relacionada à possível revisão na distribuição do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).
Atualmente, o imposto é recolhido apenas em Lençóis Paulista, mas, como o projeto de expansão pode contemplar uma área pertencente a Macatuba, a expectativa é que o imposto seja dividido, o que beneficiaria a cidade vizinha. Isso, porém, depende mais do que um acordo ‘amigável’ entre as prefeituras das duas cidades e estaria sendo discutido na esfera estadual.
Não existem informações oficiais sobre como a mudança impactaria a economia local, no que diz respeito à geração de empregos, mas especula-se que a ampliação possa resultar em centenas de contratações desde o início das obras até a efetiva operação da planta. Os próximos passos, porém, dependem da aprovação da operação pelo Cade.
Grupo Lwart buscará oportunidades de diversificação, diz assessoria
Mesmo adiantando que nenhuma das empresas daria mais detalhes sobre as negociações até a aprovação pelo Cade, por meio da assessoria de imprensa, o presidente do Grupo Lwart, Carlos Renato Trecenti, que seguirá como conselheiro da Lwarcel, avalia o negócio como positivo para o processo de expansão. “Na visão do Grupo Lwart, a Lwarcel passa para as mãos de um Grupo marcado pelo forte crescimento em várias regiões do mundo e que tem condições de dar continuidade aos planos de crescimento da empresa”, comenta.
Com a venda da Lwarcel, o Grupo Lwart, que em fevereiro de 2014, já havia vendido a Lwart Química para a multinacional suíça Sika, passa a controlar apenas a Lwart Lubrificantes, líder na América Latina no setor de coleta e rerrefino de óleo lubrificante usado. De acordo com a assessoria, “[...] passa a buscar novas oportunidades de diversificação de forma mais ativa em áreas com possíveis sinergias e nas quais suas competências possam representar vantagem competitiva”.
Empresas do Grupo asiático têm valor de mercado superior a R$ 65 bilhões
A RGE (Royal Golden Eagle) gerencia um grupo de indústrias de excelência que trabalham globalmente com recursos renováveis e eficiência de energia. Elas ocupam posições estratégicas no mercado de celulose e papel (April, Asia Symbol), óleo de palma (Asian Agri, Apical), celulose especial (Bracell), viscose (Sateri) e energia (Pacific Oil & Gas). Seus produtos são transformados em uma variedade de produtos finais que melhoram a vida diária de milhões de pessoas em todo o mundo. Ativos gerenciados pelas companhias da RGE ultrapassam os US$ 18 bilhões (cerca de R$ 65,7 bilhões). O Grupo tem mais de 60 mil colaboradores em todo o mundo.
 
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia