Publicidade
Publicidade
Publicidade
Grupo Lwart anuncia venda da Lwarcel Celulose
Asiática April assinou contrato com empresa lençoense na segunda-feira (21); transação depende de aprovação do Cade
Grupo Lwart anuncia venda da Lwarcel Celulose
TRANSAÇÃO - Negociação com grupo asiático pode ultrapassar os R$ 2 bilhões (Foto: Divulgação)
O Grupo Lwart informou no início da tarde desta quarta-feira (23) que oficializou a venda da Lwarcel Celulose à RGE (Royal Golden Eagle), grupo asiático que detém o controle da April (Asia Pacific Resources International Holdings), com sede em Singapura. A informação foi confirmada por meio de nota encaminhada pela assessoria de imprensa da empresa lençoense.
Segundo a nota, a assinatura do contrato de compra e venda da Lwarcel ocorreu na última segunda-feira (21), mas a efetivação da venda ainda depende da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Os valores oficiais do negócio não foram divulgados, mas estima-se que a transação ultrapasse os R$ 2 bilhões.
Além de fatores técnicos, como a localização geográfica privilegiada, produtividade florestal, alta eficiência operacional, equipe capacitada e projeto de crescimento bem estruturado, um ponto que impulsionou a negociação foi o interesse de diversos grupos estrangeiros na empresa, principalmente após a concretização de fusões entre gigantes nacionais da celulose, como a ocorrida em março entre a Suzano e a Fibria, que criou a maior companhia de celulose do mundo, com capacidade de produção de quase 11 milhões de toneladas por ano.
DISPUTA
Em abril, o Jornal O ECO noticiou que quatro grupos estrangeiros disputavam a compra da empresa lençoense: a chilena Arauco, a portuguesa Altri, a espanhola Ence e a própria April. A portuguesa Navigator também acabou entrando na disputa, mas, há cerca de duas semanas, os asiáticos ganharam exclusividade e acabaram fechando o negócio com a família Trecenti, dona da Lwarcel.
EXPANSÃO
Fundada em 1986 a Lwarcel tem capacidade atual de produção de 250 mil toneladas, mas pode atingir 1,5 milhão de toneladas com o plano de expansão. Com quase 2 mil colaboradores e faturamento médio anual de mais de R$ 600 milhões, segundo dados de 2017, a empresa pode aumentar em cinco vezes a receita. O projeto, que será conduzido pelos novos controladores, deve resultar em um investimento de cerca de US$ 1,5 bilhão (mais de R$ 5,4 bilhões), de acordo com especialistas.
Carlos Renato avalia venda como positiva
Por conta do processo de avaliação em andamento pelo Cade, nenhuma das empresas deve dar mais detalhes sobre a transação, mas, por meio da assessoria, o presidente do Grupo Lwart, Carlos Renato Trecenti, que seguirá como conselheiro da Lwarcel, avalia o negócio como positivo para o processo de expansão. “Na visão do Grupo Lwart, a Lwarcel passa para as mãos de um Grupo marcado pelo forte crescimento em várias regiões do mundo e que tem condições de dar continuidade aos planos de crescimento da empresa”, comenta.
Com a venda da Lwarcel, o Grupo Lwart passa a controlar apenas a Lwart Lubrificantes e, de acordo com a assessoria, “[...] passa a buscar novas oportunidades de diversificação de forma mais ativa em áreas com possíveis sinergias e nas quais suas competências possam representar vantagem competitiva”.
Empresas do Grupo asiático têm valor de mercado superior a R$ 65 bilhões
A RGE (Royal Golden Eagle) gerencia um grupo de indústrias de excelência que trabalham globalmente com recursos renováveis e eficiência de energia. Elas ocupam posições estratégicas no mercado de celulose e papel (April, Asia Symbol), óleo de palma (Asian Agri, Apical), celulose especial (Bracell), viscose (Sateri) e energia (Pacific Oil & Gas). Seus produtos são transformados em uma variedade de produtos finais que melhoram a vida diária de milhões de pessoas em todo o mundo. Ativos gerenciados pelas companhias da RGE ultrapassam os US$ 18 bilhões (cerca de R$ 65,7 bilhões). O Grupo tem mais de 60 mil colaboradores em todo o mundo.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia