Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais de 8 milhões ainda não declararam o Imposto de Renda
Prazo para entrega termina às 23h59 da segunda-feira (30); multa mínima é de R$ 165
Mais de 8 milhões ainda não declararam o Imposto de Renda
PRAZO - Contribuintes devem enviar declaração do Imposto de Renda até às 23h59 da segunda-feira (30) (Foto: Divulgação)
O prazo para a entrega das declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2018, exercício 2017, termina às 23h59 da segunda-feira (30), mas grande parte dos contribuintes ainda não cumpriu suas obrigações com o Fisco. Segundo a Receita Federal, até o final da tarde da última quinta-feira (26), pouco mais de 20,5 milhões de declarações haviam sido recebidas, o que equivale a cerca de 71% dos 28,8 milhões de documentos esperados para este ano.
A Receita alerta que os contribuintes que perderem o prazo estarão sujeitos ao pagamento de multa de pelo menos R$ 165,74, podendo chegar a 20% do imposto devido. Devem declarar o IRPF neste ano quem recebeu rendimentos tributáveis (salários, pró-labore ou alugueis, etc.) acima de R$ 28.559,70, em 2017. 
A declaração pode ser feita pelo computador, por meio do programa IRPF 2018, disponível no site da Receita Federal (idg.receita.fazenda.gov.br); mediante acesso ao serviço “Meu Imposto de Renda”, disponível no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC), com o uso de certificado digital; e também pelos dispositivos móveis através do aplicativo “Meu Imposto de Renda”, disponível no Google Play e na App Store, respectivamente para aparelhos com sistemas operacionais Android e iOS.
IMPOSTO A PAGAR
O contribuinte que tiver imposto a pagar pode dividir o valor em até oito cotas mensais, mas nenhuma pode ser inferior a R$ 50. A primeira cota - ou única para quem for pagar à vista - deve ser paga até 30 de abril; já as demais, até o último dia útil de cada mês, acrescidas de juros. O pagamento pode ser feito por transferência eletrônica de fundos por meio dos sistemas eletrônicos dos bancos; Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf), em qualquer agência bancária; ou débito automático em conta corrente.
RESTITUIÇÕES
Os contribuintes que enviarem a declaração sem erros, omissões ou inconsistências, receberão mais cedo as restituições do Imposto de Renda, se tiverem direito a ela. Idosos, portadores de doença grave e deficientes físicos ou mentais têm prioridade. As restituições serão feitas em sete lotes que começam a ser pagos em 15 de junho e seguem até 17 de dezembro, para os contribuintes cujas declarações não caírem em malha fina.
ÚLTIMA HORA
É cultura do brasileiro deixar para a última hora e para quem passa por essa situação, o contador Amarildo Ventura orienta os contribuintes a não perderem o prazo mesmo que tenham que entregar a ficha cadastral em branco. “Para não perder o prazo, alguns acabam enviando o cadastro em branco ou mesmo faltando algumas informações, porém, correm o risco de cair na malha fina, muitos não se atentam para isso e acabam sofrendo consequências lá na frente. Porém se as informações não comprometerem a declaração, a própria Receita Federal dá a oportunidade de fazer a retificação, se necessário”, informa Ventura que destaca que fazer com antecedência e acompanhar o processo da declaração é a maneira correta.
TAMBÉM DEVEM DECLARAR O IRPF QUEM:
- Contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado
- Quem obteve, em qualquer mês de 2017, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas
- Quem teve, em 2017, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural
- Quem tinha, até 31 de dezembro de 2017, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil
- Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado e nessa condição encontrava-se em 31 de dezembro de 2017
- Quem optar pela declaração simplificada abre mão de todas as deduções admitidas na legislação tributária, como aquelas por gastos com educação e saúde, mas tem direito a uma dedução de 20% do valor dos rendimentos tributáveis, limitada a R$ 16.754,34, mesmo valor do ano passado
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia