Publicidade
Publicidade
Publicidade
Quebrando tabus
Sem medo de pancadas, garotas lençoenses treinam futebol americano
Quebrando tabus
RAPOSAS - Criado há um ano, Lençóis Paulista Foxes derruba o rótulo de sexo frágil das mulheres (Foto: Flávia Placideli/O ECO)
Ignorando o rótulo de sexo frágil, as mulheres conquistaram seu espaço em diversas áreas antes dominadas pelo sexo masculino. O esporte é um exemplo claro desse empoderamento. Com toda sua garra, força e determinação, elas invadiram os campos, quadras, pistas e piscinas, rompendo preconceitos e se tornando campeãs, vencedoras de seus próprios limites.
As mulheres se renderam ao esporte e o mundo do esporte se rendeu aos encantos do universo feminino, e isso não se limita às modalidades ‘clássicas’ como o voleibol. A presença das mulheres nos esportes de contato é cada vez maior. Em Lençóis Paulista, por exemplo, já existe até um time de futebol americano, o Lençóis Paulista Foxes.
 Tudo começou há cerca de um ano quando um grupo de garotas começou a acompanhar a rotina dos amigos e namorados que integravam o Lençóis Paulista Readers, que representa a cidade desde 2014 no Campeonato Paulista de Flag Football, umas das modalidades do futebol americano.
De tanto assistir aos treinos e jogos, elas se simpatizaram com a modalidade e decidiram deixar de ser apenas expectadoras. Primeiro começaram a pesquisar mais sobre as regras para entender melhor o jogo, depois decidiram pôr em prática tudo que aprenderam na teoria. Foi quando um dos jogadores do Readers decidiu que iria treiná-las.
João Marcos Aparecido de Oliveira conta que mesmo sem saber se aquilo tudo iria dar certo, decidiu apoiar a ideia. Logo de início, ele diz que se surpreendeu com o entusiasmo e a dedicação das atletas, que, sem medo de pancadas, se enfrentam firme quando o assunto é treino.
“No início eu me perguntava como se treinava uma garota. Depois eu percebi que não se treina uma garota, se treina jogadores de futebol americano”, relata o treinador, que percebeu que o gênero não as impede de serem tão boas quanto qualquer outro jogador.
Apesar da falta de recursos para investir em equipamentos que possibilitem uma preparação mais adequada, o time segue treinando forte, planejando competir a partir do ano que vem. É o que deseja Rúbia Alessandra Rodrigues, de 19 anos, estudante de Recursos Humanos e defensora do Foxes.
“Com o nosso time e o nosso jogo queremos quebrar o rótulo que muitos ainda têm, de que meninas não podem jogar futebol americano. No momento, nosso objetivo é convidar mais garotas para participar também, já que o time só tem sete jogadoras e precisa de, no mínimo, dez”, destaca.
Enquanto o time continua em formação, as meninas vão honrando o nome Foxes, que no português significa raposas. Demonstrando rapidez e agilidade nos treinos, elas seguem dando o melhor de si para se tornarem grandes atletas. “Nos dedicamos ao máximo todos os dias, sempre pensando em evoluir no esporte”, ressalta Maria Eliza Capriolli Ferreira de Lima, de 16 anos, estudante do Ensino Médio e defensora.
Os treinos do Lençóis Paulista Foxes acontecem aos domingos, das 15h às 18h, na Pista de Atletismo Juracy Cassita. As mulheres que tiverem interesse em participar da equipe podem comparecer ao local que serão muito bem-vindas.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia