Publicidade
Publicidade
Publicidade
Nutrição equilibrada contribui para o desenvolvimento das crianças
Entre outras coisas, baixo crescimento pode influenciar no aprendizado infantil
Nutrição equilibrada contribui para o desenvolvimento das crianças
NUTRIÇÃO EQUILIBRADA - Segundo especialistas, alguns nutrientes podem auxiliar no crescimento das crianças (Foto: Divulgação)
Muitas vezes, o crescimento dos filhos acaba sendo um motivo de preocupação para os pais, principalmente quando a criança é mais baixa que os amigos da escola. Em 2015, o Banco Mundial descobriu que, globalmente, 23% das crianças menores de cinco anos possui uma estatura mais baixa do que o recomendado para a idade. No entanto, segundo especialistas, a nutrição pode ser uma ótima aliada para melhorar esse quadro.
Diversos fatores podem influenciar no crescimento inadequado de uma criança, e, por mais que isso aparente ser apenas uma questão física, ele também pode influenciar no aprendizado e no desenvolvimento infantil. Para garantir que o desenvolvimento esteja em um padrão saudável, os médicos usam gráficos de crescimento pediátrico, que são séries de curvas que traçam os padrões de crescimento da criança junto aos dados populacionais.
Qualquer queda considerável nesse nível pode ser motivo de preocupação. “Por isso, é sempre importante estar atento para detectar sinais de crescimento lento das crianças e, mais importante, ajudá-las a serem mais saudáveis por meio da nutrição equilibrada”, relata Patrícia Ruffo, nutricionista e Gerente Científico da Divisão Nutricional da Abbott no Brasil.
Um estudo recente feito por cientistas asiáticos e norte-americanos mostra que o crescimento lento pode ser minimizado em crianças com idade acima de três anos, sendo possível recuperar o crescimento por meio da intervenção nutricional e aconselhamento alimentar.
Entre todas as crianças que participaram da pesquisa, as que complementaram sua alimentação e consumiram duas porções por dia de suplemento nutricional mostraram recuperação do crescimento em peso e altura. De acordo com os pais, as crianças também tiveram melhoras nos níveis de atividade física e redução no número de dias doentes.
Em outro levantamento, após a recuperação, as crianças cujo crescimento não estava adequado apresentaram resultados de testes cognitivos similares às crianças que nunca tiveram nenhuma interferência para atingir o seu potencial de crescimento.
Segundo especialistas, alguns nutrientes podem auxiliar no crescimento das crianças. Confira alguns listados pela nutricionista Patrícia Ruffo:
CALORIAS
Crescimento requer energia e é por isso que as crianças abaixo do peso precisam de calorias extras para se recuperar.
CARBOIDRATOS, PROTEÍNAS E GORDURA
As calorias extras podem ajudar a aumentar o crescimento, mas é importante certificar-se de que estas calorias vêm de uma mistura saudável de carboidratos, proteínas e gorduras, principalmente as de fontes vegetais. Carboidratos e proteínas contêm quatro calorias por grama, enquanto cada grama de gordura contém nove calorias.
FERRO
Durante períodos de crescimento, o corpo é altamente dependente do ferro, o que ajuda a fornecer oxigênio para as células do corpo. Por isso, aumentar a ingestão de ferro, tanto por meio de alimentos quanto de suplementos nutricionais, pode estimular o crescimento de crianças que estão com deficiência deste mineral. O ferro pode ser encontrado em alimentos, como carnes (bovina, peixes, aves), feijões, ervilhas, cereais fortificados e folhas verdes escuras.
ZINCO
O aumento da ingestão de zinco pode ajudar as crianças pré-adolescentes que estão abaixo do peso a se recuperarem. Carne, espinafre, camarão e feijão são fontes alimentares de zinco.
VITAMINA D
A vitamina do sol promove a formação e o crescimento saudável dos ossos. No entanto, 40% dos bebês e crianças saudáveis possuem níveis inferiores ao recomendado de vitamina D6. O ideal é ajudar a recuperar estes níveis com brincadeiras ao ar livre, e a ingestão de alimentos ricos em vitamina D, como leite/produtos lácteos e, se necessário, suplementação.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia