Publicidade
Publicidade
Publicidade
Memórias de João Fontes Filho
Os filhos Ana Alice e Moisés lembram de sua trajetória com muito carinho e amor
Memórias de João Fontes Filho
DEDICAÇÃO - Fontes foi um dos primeiros moradores da Vila Contente, onde fez grandes amizades através de seu mercado (Foto: Divulgação)
É difícil encontrar alguém que more ou já tenha morado nas vilas Contente e Baccili que nunca tenha passado pelo Mercadinho Fontes e que, por consequência, não tenha conhecido ‘seo’ João Fontes, que dedicou os últimos 34 anos de sua vida ao estabelecimento, sempre atendendo com dedicação sua fiel clientela. Falecido em novembro do ano passado, aos 85 anos, o comerciante vai deixar saudades, assim como seu mercadinho, que encerrou as atividades por decisão da família.
Nascido em 1932, em Palmares Paulista, na região de Catanduva, João Fontes Filho morou em várias cidades dos estados de São Paulo e Paraná, antes de vir para Lençóis Paulista, em 1948. Teve uma breve passagem pelo município, mas depois se mudou para a capital paulista para trabalhar em uma fábrica de sapatos.
Foi na ‘Terra da Garoa’ que conheceu e casou-se com dona Ana Ferreira Fontes, com quem teve sete filhos, Jonas, Marlene, Geaci, Marli, Josué, Moisés e Ana Alice, além de 13 netos e 10 bisnetos.
Depois de alguns anos em São Paulo, retornou com a esposa para Lençóis Paulista, em 1957. Novamente na cidade, iniciou sua trajetória no comércio trabalhando na Casa Paccola. Em 1968, com a experiência adquirida na capital, abriu sua própria sapataria, onde trabalhou por muitos anos sempre com muito carinho e dedicação.
Abandonou a atividade depois de alguns anos para abrir uma loja de roupas e armarinhos e depois para trabalhar com a distribuição de cosméticos, mas guardou as máquinas de fazer chinelos e de encapar botões durante toda sua vida.
Abriu as portas do Mercado Fontes, localizado na Rua Rodrigues Alves, 241, na Vila Contente, no dia 10 de junho de 1983. Tendo como braço direito o filho Moisés, trabalhou com muito afinco, sempre fazendo de tudo para atender bem todos os moradores do bairro.
“Durante esses quase 35 anos, ele não media esforços para se levantar à noite e até de madrugada para atender à campainha que tocava para que ele abrisse o Mercado. Às vezes a compra era apenas uma caixa de fósforos, mas ele o fazia com dedicação e amor ao próximo”, lembra Moisés.
“O mercado, bem como todo comércio que se dispôs a tocar em Lençóis Paulista, era sua vida. O trabalho sempre em primeiro lugar, seguido da satisfação em ajudar o próximo com seu carinho e atenção aos clientes, sempre com o bom humor que lhe era peculiar”, completa a filha Ana Alice.
A dedicação de ‘seo’ João Fontes, que foi um dos primeiros moradores da Vila Contente, para com o próximo não se limitava ao mercadinho. Os filhos lembram que durante muitos anos ele foi um verdadeiro ‘anjo da guarda’ para os moradores.
Seu carro, que era o único do bairro, servia muitas vezes de ambulância para socorrer os vizinhos em alguma emergência. Seu telefone, que também era o único, era usado por todos para resolver alguma situação urgente. Durante as enchentes, que eram constantes naquela época, sua casa também chegou a abrigar muitas famílias que não tinham para onde ir.
Pensando no bem-estar coletivo, batalhou por diversas melhorias, como a instalação de um orelhão e a mudança de rota do ônibus circular para melhor comodidade dos moradores do bairro.
Por conta do perfil engajado, chegou a ser convidado pelos amigos Mário Trecenti (da padaria do Mário) e Antônio (Tonico) Lorenzetti para entrar para a política, mas preferiu continuar sendo apenas o ‘seo’ João Fontes do mercadinho, um homem visionário que sentia orgulho de Lençóis Paulista.
“Sempre muito lúcido e espirituoso, assim era o ‘seo’ João Fontes. Atendia cada cliente com muita cordialidade e respeito, sempre com uma palavra de otimismo e conforto aos que necessitavam. Era um homem de muita fé, de uma conduta ilibada e amado por todos”, define a filha Ana Alice.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia