Veja como proteger e reverter os danos comuns no verão
Além do sol, prender demais o cabelo ou dormir com ele molhado pode provocar vários danos à estrutura do fio
Veja como proteger e reverter os danos comuns no verão
VERÃO - Na estação mais quente do ano cabelos necessitam de atenção redobrada, diz especialista (Foto: Divulgação)
Não é só a pele que sofre nas altas temperaturas comuns no verão. Segundo especialistas, os cabelos também são bastante danificados na estação mais quente do ano, principalmente em homens e mulheres que já se submeteram a muitos processos químicos, como escovas progressivas, balaiagem, mudança da coloração, entre outros.
A dermatologista Thais Pepe, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia, explica que os processos citados causam danos primários à estrutura capilar e obrigam que todos tomem cuidados redobrados com a saúde capilar, sobretudo no verão, que por si só já oferece muitos fatores de risco. 
De acordo com a especialista, o principal deles é o tempo excessivo de exposição ao sol, que faz com que os fios passem por um processo oxidativo devido a ação dos raios UV (ultravioleta). Segundo ela, a luz solar afeta a cutícula do cabelo e catalisa a degradação das proteínas, além de provocar a oxidação da melanina através de radicais livres e o comprometimento da queratina. Os danos vão de descoloração do cabelo à redução da força dos fios e perda de brilho.
Outro problema destacado é que o couro cabeludo pode sofrer queimaduras, principalmente para quem tem os cabelos muito finos e muitas vezes se esquece de usar chapéu e boné ou divide o cabelo da risca do meio à lateral e esquece de passar o protetor solar em spray.
“Nesses casos há uma alteração da boa qualidade do couro cabeludo, que sofre um processo inflamatório local, levando à formação de radicais livres. Com isso, há uma piora para quem sofre com queda capilar”, explica Pepe, que revela que para a proteção dos fios, os óleos são muito eficientes, pois formam um filme de emoliência e de resistência, protegendo como se fosse uma capa de lipídeos.
“Temos vários óleos interessantes como o óleo de argan, de maracujá, de cupuaçu, de endiroba e de damasco. No couro cabeludo, nas pessoas que têm poucos cabelos ou nas áreas rarefeitas, é obrigatória a aplicação dos filtros solares que podem ser em spray ou nas formas de loções fluídas, de preferência com FPS acima de 50 reaplicados a cada uma hora e meia”, acrescenta a especialista, que completa dizendo que o uso de boné ou chapéu também é indicado.
MAR E PISCINA
A nutricionista também ressalta que as pessoas que têm contato com a água do mar ou piscina devem tomar certos cuidados, já que todas as vezes que o cabelo que já tem um dano estrutural por processos químicos - ou mesmo o cabelo virgem - é submetido à exposição do mar (por conta do sal e iodo), à areia, ou ao cloro da piscina, há um dano à estrutura da cutícula e à ceramida dos fios. Com isso, a quantidade de proteínas presentes nas hastes sofre alteração e o cabelo pode mudar de coloração, ficar mais fino e sofrer fraturas e microfraturas na haste capilar.
“A mudança de coloração é, inclusive, muito comum em pessoas que passaram por um processo químico e entraram em contato com o cloro da piscina. O que deve ser feito logo depois de um banho de mar ou piscina é passar água dessalinizada e se não houver essa possibilidade, fazer a utilização das brumas em spray ou da água termal”, afirma.
CABELOS PRESOS
Prender o cabelo com muita frequência pode trazer dois tipos de danos. A curto prazo, os prendedores podem quebrar os fios e enfraquecer o cabelo. A longo prazo, a tração constante pode provocar queda capilar. “O melhor é evitar, principalmente os prendedores de silicone, os de borracha ou grampos. Mas se não puder, uma alternativa é usar os de madeira ou plástico”.
CABELOS MOLHADOS
Dormir com os cabelos molhados é uma prática absolutamente desaconselhada. Os fios úmidos ficam frágeis e quebram mais em contato com o travesseiro. Além disso, dormir a humidade favorece o aparecimento da caspa e acelera a queda capilar. A dica é para que sempre antes de dormir a pessoa aplique um protetor térmico e depois use o secador se estiver com os cabelos molhados.
OUTROS DANOS
Lugares muito abafados e o excesso de calor também levam ao comprometimento da estrutura da fibra capilar, o que pode corromper a harmonia da estrutura, além de perda de água. Segundo a especialista, o ar condicionado também faz mal, pois diminui a umidade do ar e deixa os fios ressecados, desidratando e favorecendo o frizz. Para estes casos, a sugestão é hidratar os fios ou usar leave-in como proteção.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia