Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comércio volta a impulsionar nível de emprego em Lençóis
Contratações formais feitas pelo setor em novembro aumentaram saldo positivo em 2017
Comércio volta a impulsionar nível de emprego em Lençóis
EM ALTA - Otimista com vendas de final de ano, comércio contrata e impulsiona novamente alta no nível de emprego (Foto: Gabriel Cochi/O ECO)
Lençóis Paulista repetiu o desempenho de outubro e voltou a registrar crescimento no nível de emprego formal em novembro, novamente impulsionado pelas contratações do comércio. Dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e Emprego, divulgados na última quarta-feira (27), revelam que o setor foi o grande responsável pela segunda alta seguida, após três meses de déficit na geração de emprego.
No mês passado, o número de pessoas que tiveram a Carteira de Trabalho assinada superou consideravelmente o de demitidas, deixando o saldo positivo em 193 vagas, com 737 contratações e 544 demissões. Em outubro, a alta havia sido de 90 vagas, com 616 contratações e 526 demissões.
Nos dois meses, o comércio foi o setor que obteve com folga o melhor desempenho. Em outubro, com 230 contratações e 91 demissões, o setor fechou com superávit de 139 vagas; já em novembro, com 293 pessoas contratadas e apenas 122 demitidas, o saldo fechou positivo em 171 vagas, o melhor resultado no ano.
Os números refletem o clima de otimismo no setor para as vendas de final de ano, que resultaram em um grande volume de contratações temporárias. Porém, para o presidente da Acilpa (Associação Comercial e Industrial de Lençóis), José Antonio Silva, o Neno, a expectativa é que muitos trabalhadores registrados apenas para as vendas de Natal possam ser efetivados.
“Em outubro, novembro e dezembro foram feitas muitas contratações temporárias, mas se as vendas se mantiverem aquecidas no comércio essas pessoas podem continuar em seus empregos”, explica Neno, que acrescenta que o setor está confiante que a recuperação da economia vai continuar, o que favorece a contratação de mais pessoas, não apenas no comércio como nas outras áreas.
“O mercado vem dando sinais de melhora e eu acredito que 2018 será um bom ano. Isso é importante, porque o dinheiro começa a movimentar a economia local. É como um ciclo. Se as pessoas estão empregadas, elas têm renda e consomem fazendo o dinheiro voltar a circular na cidade”, pontua.
Cidades da região fecham o mês com saldo negativo
Diferentemente de Lençóis Paulista, as demais cidades da área de circulação do Jornal O ECO fecharam o mês passado no vermelho no nível de emprego formal. Pederneiras, Agudos, Macatuba e Areiópolis - o Caged não divulga dados de Borebi - foram prejudicadas pela baixa na indústria de transformação, que, nas quatro cidades, demitiu mais do que contratou em novembro, piorando o desempenho no ano. 
Pederneiras, que vinha de alta em outubro, com saldo positivo de 15 vagas (257 contratações e 242 demissões), teve o pior resultado, com 62 vagas de emprego a menos (231 contratações e 293 demissões).
Agudos, que no mês passado havia fechado com saldo negativo de 43 vagas (200 contratações e 243 demissões), melhorou o desempenho, mas manteve a queda, com déficit de 18 vagas (179 contratações e 197 demissões).
Macatuba, que havia chegado ao segundo mês de saldo positivo em outubro, com sete vagas criadas (87 contratações e 80 demissões), voltou a recuar, com saldo negativo de 20 vagas (58 contratações e 78 demissões).
Já Areiópolis fechou quatro postos de trabalho em novembro (16 contratações e 20 demissões), o mesmo que no mês anterior (11 contratações e 15 demissões), chegando ao quinto mês consecutivo de saldo negativo.
ACUMULADO
No ano, porém, Pederneiras, Agudos e Areiópolis seguem com mais contratações do que demissões, com superávit de 448, 326 e 104 vagas, respectivamente. O mesmo se repete no acumulado dos últimos 12 meses, com 228, 251 e 78 vagas, seguindo a ordem. Já Macatuba registra saldo negativo em 2017 e também no acumulado do mesmo período. Neste ano a cidade fechou 135 postos de trabalho, enquanto que de dezembro de 2016 até o mês passado foram perdidos 141 empregos formais.
Demais setores acompanham crescimento
Apesar de registrarem resultados menos expressivos, as demais áreas da economia local também tiveram desempenho positivo em novembro. Os destaques foram a indústria de transformação e o setor de serviços, que criaram 15 e 12 novos postos de trabalho, respectivamente. A única exceção foi a agropecuária que fechou com saldo negativo de nove vagas, com 26 contratações e 35 demissões.
O bom desempenho geral do mês elevou o superávit de 2017, de 451 para 644 vagas (7.069 contratações e 6.425 demissões). Outro dado relevante é que pela primeira vez no ano, considerando o acumulado dos últimos 12 meses (de dezembro de 2016 a novembro de 2017), a cidade registrou alta no nível de emprego, com saldo positivo de 318 vagas (7.634 contratações e 7.316 demissões).
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia