Mais de 9 mil casos são registrados por ano no Brasil
Estima-se que 70% dos pacientes possam ser curados quando ocorre o diagnóstico precoce
Mais de 9 mil casos são registrados por ano no Brasil
TRATAMENTO - Diagnóstico precoce pode garantir até 70% de chance de cura nos pacientes (Foto: Divulgação)
Em 2008, a Lei 11.650 instituiu o dia 23 de novembro como Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil. Entre os principais objetivos que culminaram na criação dessa data estão o estímulo a ações educativas e preventivas, promoção de debates e outros eventos sobre as políticas públicas de atenção integral às crianças com câncer, difusão dos avanços técnico-científicos relacionados à doença e promoção de apoio para crianças e seus familiares.
As preocupações previstas nos objetivos da Lei são totalmente fundamentadas nos números divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA). Estima-se que 70% das crianças com câncer possam ser curadas quando ocorre o diagnóstico precoce. A cada ano, são estimados mais de 9 mil novos casos de câncer infantojuvenil, configurando a segunda causa de mortalidade proporcional entre pessoas até 19 anos.
É configurado como câncer infantil um grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais, a qual pode ocorrer em qualquer local do organismo. Entre os tipos mais comuns da doença nessa faixa etária estão leucemia, tumores do sistema nervoso central e linfomas. Enquanto nos adultos a doença afeta, em geral, as células do epitélio, que recobrem os diferentes órgãos (é o caso do câncer de mama e o de pulmão), nas crianças são mais comumente atacar as células do sistema sanguíneo e os tecidos de sustentação. Além disso, enquanto em adultos a doença se relaciona com fatores externos, como, por exemplo, o fumo, nas crianças não existe essa evidência. Assim, a prevenção torna-se ainda mais complicada e o foco volta-se de vez para o diagnóstico precoce e o tratamento.
A onco-hematologista Isis Magalhães alerta que os sinais da doença podem ser facilmente confundidos com os de quadros bastante comuns em crianças, como infecções. Alguns exemplos são o aparecimento de manchas roxas na pele e anemia. Os sintomas, entretanto, devem se manifestar por um período superior a duas semanas para causar algum tipo de alerta.
“É preciso saber identificar quando aquilo está passando do limite e quando é normal. Afinal, qual criança não tem uma mancha roxa na canela de vez em quando? Dependendo da situação, a lista de sinais causa mais desespero nos pais do que ajuda”, explica. A orientação, segundo ela, é levar as crianças periodicamente ao pediatra.
Os médicos recomendam que os pais procurem um especialista caso os filhos apresentem sintomas como perda de peso; manchas roxas e sangramento pelo corpo, sem machucados; vômitos acompanhados de dor de cabeça, diminuição da visão ou perda de equilíbrio; caroço em qualquer parte do corpo, principalmente na barriga; palidez; febre prolongada, sem causa identificada; dores nos ossos e nas juntas, com ou sem inchaços; e crescimento do olho, podendo estar acompanhado de mancha roxa no local.
Para a especialista, o tratamento do câncer começa com um diagnóstico correto e precoce. “A doença não dá tempo para esperar. É preciso seguir o protocolo à risca, porque essa é a chance da criança. O primeiro tratamento tem que ser o correto”, avalia.
Caminhada no dia 26 chama atenção para o tema
No domingo (26), acontece a caminhada Passos que Salvam em Lençóis Paulista, que chama a atenção da população para o combate ao câncer infantojuvenil. O evento, que é promovido por um grupo de voluntários com apoio de clubes de serviço e empresas locais, será realizado simultaneamente em diversas cidades.
A concentração da caminhada acontece às 8h, em frente ao Teatro Municipal Adélia Lorenzetti. O percurso seguirá até o Parque do Povo. No mesmo momento diversas outras cidades participantes da ação estarão realizando sua caminhada Passos que Salvam.
Os voluntários também estão comercializando um kit com boné, sacolé e camiseta a R$ 35, com renda totalmente revertida aos projetos do Hospital do Câncer de Barretos, idealizador do evento.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia