Publicidade
Publicidade
Publicidade
Tipó defende consenso por deputado de Lençóis
Vereador lança pré-candidatura ao cargo e revela que se sente preparado e com chances reais de se eleger
Tipó defende consenso por deputado de Lençóis
DESAFIO - Tipó avalia que apenas uma liderança política que trabalhe essencialmente pela região promoverá o desenvolvimento (Foto: Elton Laud/O ECO)
Faltando exatamente um ano para as eleições de 2018, o vereador Ailton Aparecido Tipó Laurindo (PMDB) anunciou sua pré-candidatura a deputado estadual. A confirmação foi feita com exclusividade ao Jornal O ECO, em entrevista concedida na manhã de ontem (6). Essa será a segunda vez que o lençoense tentará se eleger para uma das 94 cadeiras da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). A primeira foi em 2006, pelo PV, quando obteve 24.084 votos, sendo 17.814 em Lençóis Paulista.
A decisão, segundo Tipó, é definitiva. Mesmo sem ainda saber qual será o cenário político que o aguarda no próximo ano, ele se mostra seguro e acredita que chegou o momento de a cidade eleger um representante na Alesp. Para o vereador, apesar da atuação incisiva do Legislativo e Executivo locais na busca por recursos, apenas a eleição de alguém que defenda diretamente os interesses da cidade e da região pode garantir um maior desenvolvimento.
“Com sete mandatos como vereador, eu percebo o quanto é difícil conseguir recursos para o município. Vejo deputados que tiveram votações expressivas na cidade destinarem durante os seus mandatos quantias irrisórias em emendas. A cidade não tem a atenção que merece. Chegou em um ponto em que é preciso se impor. Precisamos de uma liderança política regional. Alguém para cuidar essencialmente de Lençóis e da nossa região”, ressalta.
COMPARATIVO COM 2016
Traçando um comparativo com as eleições de 2006, Tipó hoje se diz muito mais preparado. Por conta das relações políticas e profissionais que criou ao longo dos últimos 11 anos, o vereador acredita ter condições bem mais favoráveis para uma possível eleição. Citando como exemplo a carreira de advogado, pela qual se destaca como especialista em direito previdenciário, mostra otimismo em relação à exposição de seu nome, fator importante para se pensar em eleição.
“Em 2006 eu não era conhecido na região. Hoje tenho escritórios em várias cidades, participo de programas de rádio e TV em Bauru, faço palestras sobre direito previdenciário por todo o estado pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), falando para um público que me ouve e respeita o que eu tenho a dizer. Eu não tenho dúvidas que posso ter um desempenho muito melhor do que tive há 11 anos. Sabemos que Lençóis não tem votos suficientes para eleger um deputado, mas hoje eu acredito que tenho um potencial muito maior para buscar os votos que preciso na região”, pontua.
“Só vamos construir as coisas com união”, diz Tipó
Apesar de anunciar a pré-candidatura, o vereador destaca que ainda é cedo para dizer se permanece ou se sai do PMDB e diz que suas decisões serão tomadas de acordo com as circunstâncias. “No ano que vem nós vamos ter um Raio-X muito nítido das condições da eleição. Saberemos se vai ser favorável ficar no PMDB ou mudar para um partido que ofereça uma melhor condição. Em abril tem a janela de transferência que permite que isso seja feito, se for o caso, mas não quero pensar nisso agora”, revela o vereador, que disse, inclusive, ter recebido um convite do vice-governador Márcio França para se filiar ao PSB, partido para o qual seu maior aliado, o prefeito Anderson Prado de Lima, também migrou.
Sobre o possível cenário das eleições do ano que vem, principalmente no que diz respeito ao surgimento de outra/as candidatura/as na cidade - o que não ocorreu em 2006, o vereador avalia que é preciso que haja diálogo para evitar que todos sejam prejudicados, mas não se mostra disposto a recuar se tiver concorrentes diretos.
“Eu quero usar toda a experiência política e profissional que tenho. Me vejo em condição de me eleger e eu gostaria muito de ser o candidato da cidade. Se outra pessoa quiser lançar uma candidatura tem que haver um entendimento, que saia com chance real de se eleger e não apenas para atrapalhar o outro. Temos que esquecer questões partidárias, passado, desavenças políticas. Isso faz parte do jogo, mas já passou. Só vamos construir as coisas com união”, pondera.
 
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia