Publicidade
Publicidade
Publicidade
Conselho técnico do CGBH-RL recomenda nova vistoria de represas
Devido às chuvas, duas barragens teriam se rompido há cerca de 15 dias
O Conselho Técnico do Comitê Gestor da Baia Hidrográfica do Rio Lençóis (CGBH-RL), recomendou que a Defesa Civil faça uma nova vistoria das represas que ainda existem no curso do Rio Lençóis, entre as cidades de Lençóis Paulista e Agudos. Segundo nota encaminhada à redação, foi constatada a existência de 12 barragens ativas na bacia, sendo que apenas quatro delas aparentariam oferecer a devida segurança e estariam dentro das dimensões consideradas adequadas.
Na semana passada, durante a sessão da Câmara de Lençóis Paulista, a vereadora Mirna Justo (PSC) havia revelado que há cerca de 15 dias, em decorrência das fortes chuvas que caíram sobre a região, duas represas chegaram a se romper causando risco, ainda que pequeno, de uma nova inundação. A reportagem apurou que em uma das barragens está localizada na microbacia do Ribeirão da Prata e que no local choveu uma média de 217 milímetros em quatro dias.
Segundo o Conselho Técnico as barragens foram localizadas através de geoescaneamento por imagens de satélites, o que dá a localização exata dos reservatórios.  O sistema, teoricamente torna impossível que eventuais irregularidades sejam ocultadas.
RECOMENDAÇÃO
Segundo a nota emitida pelo CGBH-RL) foi aprovada por unanimidade a recomendação para que a Defesa Civil interceda com rigor na fiscalização dos reservatórios que não estejam em conformidade com a Legislação e com as Normas Técnicas.
De acordo com informações obtidas pela reportagem, o capitão Juliano Xavier, comandante da 5ª Cia de Polícia Militar de Lençóis Paulista e chefe da Defesa Civil, pode, ainda está semana, fazer uma vistoria aérea em toda a bacia com o helicóptero Águia.
Está na pauta uma resolução técnica que disciplina entre outras coisas, o uso de barragens na bacia do Rio Lençóis. O texto deve ser apreciado na próxima reunião de trabalho do Conselho Técnico, marcada para este mês. O material também deve ser encaminhado ao Ministério Público como recomendação para as providências cabíveis.
comentários 0 Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para a matéria. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia