Publicidade
Publicidade
Publicidade
Marcelo Ranzani
Médico vai trazer informações para você ficar em dia com sua saúde
Alergia ao leite de vaca
Muito frequente nos consultórios dos Pediatras e especialmente dos Homeopatas e Imunologistas, a alergia ao leite de vaca pode causar desde sintomas leves ao qual a suspensão do leite não é necessária, até quadros graves que requisitam internação hospitalar. 
Reações mediadas por Anticorpos (IgE ou Imediatas).
São denominadas desta forma, pois o organismo produz anticorpos específicos do tipo IgE (Imunoglubulinas E) para as proteínas do leite de vaca as quais a criança é alérgica (caseína, alfa-lactoalbumina e/ou beta-lactoglobulina são as principais). São reações tipicamente mais persistentes com o passar dos anos e geralmente mais graves.
Nesse tipo de reação os sintomas aparecem de segundos até 2 horas após a ingestão do leite e a criança normalmente apresenta: urticária (placas vermelhas disseminadas, geralmente com coceira associada), Angioedema (inchaço dos lábios e dos olhos); vômitos em jato e/ou diarreia após a ingestão do leite; anafilaxia, choque anafilático, chiado no peito e respiração difícil.
Como nesse tipo de reação há liberação de IgE, os testes alérgicos que medem a presença de IgE específica para os alimentos no sangue (RAST, ImmunoCap) e na pele (prick test) podem ser solicitados para auxiliar na investigação diagnóstica. 
Reações não mediadas por IgE ou tardias.
Também denominadas mediadas por células, são as reações em que o organismo não produz anticorpos IgE específicos. Nestes casos a reação é desencadeada por outras células. O grande diferencial deste tipo de reação clínica é que os sintomas são tardios, podendo aparecer horas ou dias após a ingestão do leite. Crianças com esse tipo de reação normalmente desenvolvem tolerância ao leite antes que as demais. Os sintomas apresentados são: vômitos tardios (vomitam o conteúdo do estômago horas despois de ingeri-los); diarreia com ou sem muco e sangue; sangue nas fezes, cólicas e irritabilidade; intestino preso; baixo ganho de peso e crescimento, inflamação do intestino, assadura e/ou fissura perianal.
Não é possível diagnosticar esse tipo de alergia a partir dos exames de sangue nem pelo teste cutâneo. O diagnóstico nesse caso deve ser investigado com base na história clínica, na dieta isenta dos alimentos suspeitos seguida do teste de provocação oral.
Reações Mistas
Algumas crianças podem apresentar os dois tipos de reações, denominadas como manifestações mistas. Nestes casos, podem surgir sintomas imediatos e tardios à ingestão do leite.Os sintomas mais comuns nesse caso são: dermatite atópica moderada a grave (descamação e ressecamento da pele, com ou sem formação de feridas), asma, refluxo, inflamação do esôfago (esofagite eosinofílica), inflamação do estômago (gastrite eosinofílica), diarréia, vômito e dor abdominal, baixo ganho de peso e crescimento. 
Em casos de dermatite atópica e asma os testes alérgicos podem auxiliar no diagnóstico.`
Intolerância à lactose
Sintomas
A intolerância ao leite e aos produtos lácteos ocorre nos indivíduos que possuem níveis insuficientes da enzima lactase, responsável por digerir a lactose, o tipo de açúcar presente no leite. A lactose representa cerca de 5% do leite de vaca habitualmente comercializado. Os sintomas mais comuns incluem diarreia, cólicas abdominais, excesso de gases e abdômen distendido. Nos adolescentes, náuseas e vômitos também são comuns. A fermentação da lactose pelas bactérias produz ácidos, o que torna as fezes mais ácidas e pode causar irritação (assaduras) na região anal. Intolerância à lactose não é a mesma coisa que alergia ao leite. A intolerância à lactose ocorre por uma falha enzimática e nada tem a ver os processos alérgicos de quem tem alergia às proteínas do leite.
comentários Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para o Artigo. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia