Publicidade
Publicidade
Publicidade
Papo Reto
por Zé Santos, que é músico, educador musical e professor de percussão
Um minuto de silêncio em respeito à vida
Muito estranho...
Estar pela vida e pela luta nos dia de hoje, é sinônimo de tolo, bobo, ser honesto: que pecado! Abraçar e acariciar: que adultério!  Gula, hum... que luxúria! Justiça: que preguiça! Povo que orgulho...
Qualquer um que sente e respira, é capaz de perceber o quanto nossa humanidade anda economizando na construção de seres.  Seres humanos, nação, onde estão esses significados? Sufocados e emaranhados no orgulho, presos em verbos sem sujeitos, ou no singular do eu, eu, eu...
Respeitemos no mínimo as regras do jogo, como no xadrez onde cada peça tem sua vez, pretos e brancos, nesse jogo quem leva? 
Triste! sim...
 Mas, infelizmente ainda estamos presos nessa velha tal de dona “MORAL”.
A Educação nos aproxima do respeito a vida, se faz necessário ensinarmos o ser humano “ler o mundo” para assim começar a transformá-lo, o objetivo maior da educação deve ser conscientizar, preparar levar os seres humanos a entenderem sua situação de oprimidos e agirem em favor de sua libertação, lhes garantindo o que é de direito segundo as leis. 
Pausem! Ouçam Paulo Freire.
Não há libertação que se faça com homens e mulheres passivos, é necessária conscientização e intervenção no mundo. A autonomia, além da liberdade de pensar por si, além da capacidade de guiar-se por princípios que concordem com a própria razão, envolve a capacidade de realizar, o que exige um homem consciente e ativo, por isso o homem passivo é contrário ao homem autônomo. (FREIRE, 1983, p.32).
Aproveitemos essa breve pausa, para refletirmos sobre sentimentos que deveriam ser indispensáveis na educação e construção do ser humano. Atitudes de recomeçar e se respeitar não devem ser esquecidas ao ponto de sermos envolvidos por essa poeira da desumanidade. Faço um apelo em forma de pedido... 
Rompemos o silêncio e respeitemos à vida!
“Deixemos sermos conduzidos como baques soltos de alfaias em seus maracatus se interagindo e transpassando o tempo, por uma verdade de alma e uma raiz de sentimentos nobres e simples...
comentários Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para o Artigo. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia