Fagulha Musical
por Cleiton Rolo, músico e designer gráfico
Um passeio pelas canções do Canadá
Um passeio pelas canções do Canadá
Um país ultra desenvolvido e um dos maiores em extensão não ficaria por baixo quando o assunto é música. O Canadá é berço de uma linhagem específica de artistas e compositores que, muitas vezes, são erroneamente citados como norte-americanos. Uma confusão que é persistente, mas que pouco incomoda, já que, além de vizinhas, ambas as nações se influenciam mutuamente desde sempre. Um fato curioso: a música American Woman, que foi sucesso em todo mundo nos anos 70 e que carrega consigo aspectos e sonoridade tipicamente estadunidense, é de uma banda canadense, o Guess Who, de Winnipeg.
Quando talvez nem mesmo o avô do Justin Bieber era nascido, o Canadá já exportava celebridades para os EUA. Paul Anka, de Ottawa, se mudava para Nova Iorque em 1957 e, em pouco tempo, causaria estardalhaço com Diana e outros hits incontestáveis.
Por volta de 1967, com as contestações juvenis por todo mundo e a formação da filosofia hippie, o folk rock e suas letras existencialistas se tornavam arma de peso. Dois dos grandes expoentes desse estilo são Neil Young e Joni Mitchell, de Toronto e do município de Fort Macleod, em Alberta, respectivamente. Cultuados e fortemente acariciados pela crítica e pelo público, ambos trazem em suas canções sensações e atmosfera realmente ímpares. É com facilidade que chamo de imprescindível esse material.
Nos anos 70, dois dos integrantes dos já citados Guess Who, formaram um grupo que influenciaria muito na construção do hard rock e do heavy metal por conta de uma estrutura mais pesada de som entre guitarras e vocais. O Bachman Turner Overdrive, que vinha de Winnipeg e de uma província chamada Manitoba, emplacou hits como Taking Care of Business, Roll On Down The Highway e outros.
Ainda nos anos 70, surge no país a Harmonium, uma banda de rock progressivo de Quebec cujas letras são no idioma popularmente chamado de Québécois, ou francês canadense. Entre experimentalismos e sutilezas vocais, a banda faz uma sonoridade impecável e, como sugere o nome, completamente harmoniosa.
Atualmente, o Canadá continua lançando artistas de sucesso e de vários segmentos. O rapper Drake é destaque em festivais no mundo todo, assim como a banda Arcade Fire, de indie-rock, que está no seu quinto álbum de estúdio. Ainda um dos últimos nomes do estilo lo-fi que mais me agrada e que faz um som poeticamente peculiar é o Andy Shauf, de Regina, capital da província de Saskatchewan. Vale muito o play!
Curta um som e nos vemos por ai!
SIGA O CLEITON NAS REDES SOCIAIS: Facebook | Instagram | Twitter
comentários Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para o Artigo. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia