Fagulha Musical
por Cleiton Rolo, músico e designer gráfico
Conhecendo Mac DeMarco
Conhecendo Mac DeMarco
Carismático e de perspicácia estética ímpar, o canadense que surgiu por volta de 2010 na cena musical independente, vem se destacando nos principais festivais pelo mundo e despertando curiosidade entre a crítica especializada em música pop. Seu talento como multi-instrumentista, compositor e produtor coloca seus álbuns entre os mais elogiados entre nova geração de músicos.
Seu jeito despretensioso e um estilo banda de colégio, seguido de uma interação entre deboches e piadas nonsense em seus shows, conquistam e se alastram de forma impressionante. Suas passagens pelo Brasil (que foram três!), inclusive, deixaram grande rastro de elogios. Suas apresentações, geralmente acompanhadas de baixo, bateria e teclados, são de muito alto astral, imitações, paródias, versões esdrúxulas e, sem dúvida nenhuma, ninguém se entedia.
Com 27 anos, três álbuns e alguns EP’s lançados, DeMarco traz consigo sonoridades já inseridas na nossa memória afetiva musical. Consegue explorar, como poucos, as receitas de atmosferas ora solares e veranis, ora tristes e nostálgicas, além de fórmulas agradáveis um tanto esquecidas, mas que definem parte das suas influências que vão de The Smiths, John Lennon, Herman’s Hermits, Harry Nilsson a vídeo games do começo dos anos 90, passando por clássicos românticos de rádio dos anos 70, música tradicional japonesa, bandas de Seattle e outros. Ele se define ironicamente como “jizz jazz”, mas pode-se chamar de indie rock, rock alternativo, lo-fi, new-wave e muitos outros.
Mas um dos grandes trunfos de Mac DeMarco ainda é sintetizar com simplicidade em suas letras, contextos de vivência urbana, amigos, amores perdidos, sobre familiares e assuntos corriqueiros e descomplicados, se comunicando assim livremente com o senso comum através da assimilação. Sem dúvida que se trata de algo muito além da modinha passageira e a sua caminhada experimental há de render um legado importante para a música popular.
Curta um som e nos vemos por ai!
SIGA O CLEITON NAS REDES SOCIAIS: Facebook | Instagram | Twitter
comentários Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para o Artigo. Seja o primeiro!

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2019 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia