Publicidade
Publicidade
Publicidade
Fagulha Musical
por Cleiton Rolo, músico e designer gráfico
A relação de Manchester e a música pop
A relação de Manchester e a música pop
Conhecida como a primeira cidade a se industrializar e ter uma estação ferroviária, Manchester é igualmente famosa pelas universidades e sua superpopulação de estudantes. O fervor entre os torcedores do Manchester United, sua assídua vida noturna e a preocupação social da cidade só resultariam em uma esplêndida seara de bandas e artistas que lançam tendência do Reino Unido, chegando em todas as partes do mundo.
Nos anos 60, junto da invasão britânica, as bandas mais populares eram Herman’s Hermits, The Hollies e Freddie And The Dreamers. Grupos harmoniosos e de sonoridade vocal diferenciada que estiveram no topo das paradas no Reino Unido e também nos EUA. Seus maiores hits até chegaram ao Brasil, mas, muitas vezes, traduzidos porcamente ou executados pela Jovem Guarda.
Também foi em Manchester que aconteceu o movimento que consagrou bandas como Joy Division, New Order e Happy Mondays. A gravadora independente Factory Records, além de produzir esses grupos, fomentou um público que fecundaria mais tarde o espaço Haçienda, que foi uma das frentes da música eletrônica na construção do Acid House e a música de Rave.
Na vasta década de 80, Manchester pariu, inclusive, The Smiths, que bolou um rock underground em uma estética completamente urbana, típica de cidade evoluída. Legião Urbana, para citar apenas uma banda, foi fortemente influenciada nesse som.
Ainda, artistas consolidados como Simply Red, Bee Gees e The Verve também são de lá. E claro, teria de falar obviamente de uma das maiores bandas de Manchester: os briguentos do Oasis.
A música Don’t Look Back in Anger, do grupo, inclusive, esteve recentemente relembrada como forma de homenagem, após o episódio do atentado terrorista ocorrido neste ano, durante o show da cantora teen Ariana Grande, na cidade. Os royalties da música foram doados às vítimas.
Grupos menos conhecidos por aqui, mas que são cultuados em grande parte do mundo, como 10cc, infelizmente são ofuscados ou subestimados. Seu material chegou muito pouco ao Brasil com exceção de I’m Not In Love. Outro é o Chemical Brothers, que merece atenção pela fusão entre música e clipes extremamente criativos e, ainda The Ting Tings e seu atual pop feito por dois integrantes. Manchester e o pop têm uma relação de muito amor.
Muito da sonoridade que vem de Manchester é reflexo de uma sociedade extremamente moderna, madura e socialmente resolvida. Curta um som e nos vemos por ai!
Siga o Cleiton Rolo nas redes sociais:
Facebook: cleiton.rolo
Instagram: @cleitonrolo
Twitter: @cleitonrolo
comentários Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para o Artigo. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2018 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia