Publicidade
Publicidade
Publicidade
Fagulha Musical
por Cleiton Rolo, músico e designer gráfico
Você conhece Carol Kaye?
Você conhece Carol Kaye?
A musicista de estúdio que fez parte do grupo que definiu as maiores sonoridades jamais equiparadas da história, nasceu nos EUA em 1935. Baixista e guitarrista prolífica atua nos estúdios de Los Angeles há 55 anos e fez por volta de 10 mil horas de sessões de gravações.
Desde muito cedo, introduzida no meio musical, Carol Kaye ensinava guitarra aos 14 anos e, depois de tocar por algum tempo na noite de Los Angeles, se tornou musicista de estúdio a partir de algumas sessões com Sam Cooke. O legado de Carol Kaye, em particular dos anos 1960 e 1970, guarda verdadeiras preciosidades que pouca gente sabe. Por se tratar de uma musicista de estúdio, e mulher, seu nome foi e ainda é pouco difundido.
São dela as linhas em “Feelin' All Right”, de Joe Cocker, “Homeward Bound”, de Simon & Garfunkel. Esteve presente nos álbuns Pet Sounds, dos Beach Boys, e Neil Young, do Neil Young. Ainda gravou aquela guitarrinha de “La Bamba”, de Richie Valens, e a guitarra 12 cordas no álbum psicodélico Freak Out!, do Frank Zappa. São de sua autoria algumas das linhas de baixo e guitarra de The Monkees, Frank Sinatra, Barbra Streisand, Ray Charles e Stevie Wonder. Trabalhou também com os produtores Quincy Jones e Phil Spector em gravações de grupos musicais, de filmes e para a TV. Temas famosos como o do Batman e da Pantera Cor de Rosa, tiveram dedo de Carol Kaye. Filmes como Missão Impossível e M.A.S.H. também. No site oficial da artista tem uma lista interminável de participações, gravações e parcerias. Que baita mulherão, hein? E você ai se achando a última bolacha do pacote por tocar Legião Urbana na noite, né?
A história de Carol Kaye, assim como em poucos casos, é cercada dos grandes ícones e que, juntos, instauraram parte do que a música popular é hoje. Sua trupe de músicos de estúdio botou a atmosfera desejada pelos compositores da época e cravou um conceito que estará para sempre presente, mesmo que no inconsciente, da massa consumidora de música e arte. Curta um som e nos vemos por ai!
Siga o Cleiton nas redes sociais:
Facebook: cleiton.rolo
Instagram: cleitonrolo
Twitter: @cleitonrolo
comentários Comentário
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Ainda não há nenhum comentário para o Artigo. Seja o primeiro!
Publicidade
Publicidade

Todos os direitos reservados © Jornal O ECO 2017 - oeco@jornaloeco.com.br - telefone central: (14) 3269-3311

desenvolvido por Natus Tecnologia